Neurodiversidade como vantagem competitiva

Este artigo foi publicado: no dia 26/11/2019 na estréia da  minha coluna no IT Forum 365

 

A Tecno-Humanização vai além da diversidade e inclui em seus projetos a Neurodiversidade

Primeiro artigo nesta coluna e primeiro desabafo. Mas prometo que não será um desabafo chato.

Você já “chantageou” uma criança pra ela comer saudável?

Ofereceu algo ela gostava muito, inclusive sobremesa extra, para que pudesse comer verdura?

Ter que contar histórias, dar chocolate, deixar brincar uma hora a mais, ter que explicar uma e outra vez a importância e os benefícios de comer verduras e legumes para o seu desenvolvimento, enfim, o que quase todo pai e mãe faz ou já teve que fazer.

Mostrar e explicar as coisas, mesmo que seja óbvio, a uma criança se chama ensinar, e é obrigação dos adultos.

Ter que explicar e convencer a um adulto de mais de 50 anos que ele deve comer verduras, que precisa olhar para os dois lados para atravessar a rua, não beber em copo de pessoas estranhas, pode ser, no mínimo uma situação “kafkiana”.

Pois é  assim que me sinto escrevendo este artigo.

Seguindo essa lógica, pode parecer absurdo em 2019 ainda ter que explicar diversidade e inclusão. Contudo, se algum aspecto da condição humana não está claro, temos o dever de contribuir para que esteja.

Temos 7,7 bilhões de pessoas no mundo, somos 7,7 bilhões de seres humanos diferentes. Ah! Claro que temos características comuns, mas todos temos nossas particularidades.

Dito isto, então…

O que nos torna especiais?

Ser diferentes.

O que nos atrai no outro?

A diferença.

O que fez a humanidade evoluir?

Sermos diferentes.

O que provoca inovação?

A diferença (de visão, de opinião, de experiência, de vivência…).

O que as empresas precisam para sobreviver?

Diferenciação e inovação.

O que contratamos para nossa empresa?

O igual. O padrão. O que se molda em um perfil previamente traçado e estudado.

Então espera um momento, porque agora fiquei confuso.

Se a diferença é o que gera inovação e a empresa contrata “iguais”, como ela pode inovar?

Para tentar entender este comportamento incoerente, precisamos de alguns conceitos.

Um dos princípios de funcionamento do cérebro e, por consequência, da mente humana é o princípio da busca por consistência.

Quando processamos informações conflitantes em nosso cérebro, isso provoca um desconforto, que é chamado de dissonância cognitiva. O cérebro automaticamente, e de forma inconsciente, trabalha para recuperar a consistência, criando crenças e imagens, mesmo que distorcidas, e a nossa parte racional as justifica.

Isso explica o porquê, normalmente, temos uma imagem sobre nós mesmos superior a que os outros tem de nós. Nos consideramos mais honestos que a média, mais inteligentes que a média e assim por diante.

Outro conceito que gostaria de trazer é o de distância psicológica. Quanto mais distante estamos de um julgamento moral ou de uma tomada de decisão, mas racional ela se torna.

Vou trazer um exemplo para ilustrar a dissonância cognitiva e a distância moral.

A maioria das pessoas acham linda e louvável a atitude de alguém que adota uma criança transexual ou a um bebê com síndrome de abstinência porque a mãe usou drogas durante a gravidez, e dizem que fariam o mesmo.

Este pensamento, automaticamente serve para construir uma imagem positiva de si mesma.

Mas quando ela tem que tomar uma decisão ou atitude assim, quando pensa nos preconceitos e sofrimentos que sofrerá por adotar uma criança trans ou doente, normalmente muda de opinião.

E para resolver esta dissonância cognitiva, o racional busca justificativas para manter a imagem de boa pessoa, argumentando com pensamentos do tipo:

Eu faria se pudesse”; “Agora não é o momento”.

Ou a frase clássica, “eu não tenho nada contra os homossexuais, eu até tenho um amigo gay”, e tem alguns que arrematam dizendo “e gosto dele pra caramba”.

Este é o mesmo processo que seguem muitas empresas. Não contratam pessoas que se vestem diferente, que pensam diferente, que sentem diferente, porque tem uma crença tão arraigada que não deve se “misturar”.

Somos naturalmente diferentes, ainda bem! Portanto, a diversidade e a inclusão nas organizações deveriam ser naturais.

Mas seria ingenuidade minha pensar assim. Afinal, somos hipócritas, como demonstramos no exemplo acima.

Mas será que precisa ser sempre assim? Será que não da pra mudar esse modo de agir e de pensar?

Graças aos millennials, algumas empresas encontraram o poder da diversidade e como ela contribui para seus processos de inovação, de humanização e para seus resultados.

A Tecno-Humanização vai além da diversidade, e traz a seus projetos a Neurodiversidade. Somos neurodiversos por definição, mesmo que não tenhamos nenhuma patologia ou distúrbio.

Em minha jornada de construção da metodologia da Tecno-Humanização eu encontrei a Specialisterne, empresa que desenvolveu uma metodologia para capacitar e promover a inclusão no mercado de pessoas com Transtorno do Espectro Autista – TEA.

A Specialisterne capacita pessoas como TEA, desde de programação à robótica. E pensemos juntos:

Quais características mais relevantes são necessárias em um bom programador?

Raciocínio lógico, boa memória, concentração e atenção ao detalhe.

Quais características pessoas com TEA possuem de forma acentuada?

Bingo!!!

Eu já dei palestra para plateias enormes (mais de 1.000 pessoas) e também já falei para altos executivos, incluindo presidentes de grandes multinacionais. Esse é o meu trabalho e, para mim, é super tranquilo.

Mas tenho que reconhecer, a palestra que eu dei para os 20 alunos da Specialisterne foi diferente.

O pessoal da Specialisterne, muito gentil, procurou me instruir antes, dizendo pra eu não me sentir mal caso eles não demonstrassem empatia ou não aplaudissem efusivamente, que isso não significaria que não tivessem gostado da palestra.

Ao final, fui aplaudido efusivamente, 4 deles aplaudiram em pé e alguns vieram me cumprimentar e me abraçaram.

Foi emocionante e, para os que me conhecem, para este tipo de coisas, sou de lágrima fácil. Chorei muito!

Conclusão: empresas neurodiversas são mais criativas e inovadoras!

Em nosso próximo podcast, que eu incluirei ao final deste artigo, eu vou conversar com o Marcelo Vitoriano, diretor geral da Specialisterne, para conhecer melhor a empresa, o impacto de seu trabalho e como estes profissionais estão gerando uma vantagem competitiva para seus clientes.

 

 

Imagem: Pixabay e Gerd Altmann

Seja egoísta, ajude o próximo!

Este artigo foi publicado: no dia 30/11/2019 na minha coluna no R7 e no portal Inova360.

 

O altruísmo corporativo aumenta o engajamento dos colaboradores e a lucratividade da empresa

Cada um por si e Deus pra todos.

Se você é vítima da crença arcaica tenho uma boa notícia, ela caducou.

Estamos na era da colaboração, portanto, temos que pensar no coletivo e não somente no individual.

Vou te dar 3 motivos para pensar no próximo: Por consciência, porque está na moda ou por egoísmo.

Isso mesmo, você leu certo, por egoísmo.

Está comprovado cientificamente que ajudar o próximo faz bem!

Jorge Moll Neto, PhD, fundador e coordenador da Unidade de Neurociência Cognitiva e Comportamental e cofundador e presidente do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino, demonstrou em um estudo científico os benefícios do altruísmo.

Ele comparou a resposta cerebral (bioquímica e cognitiva) em três situações:

Quando você ganha dinheiro.

Quando você doa parte deste dinheiro que ganhou à uma causa que você acredita ou considera nobre.

Quando você nega a doação por não acreditar na causa.

Quando você ganha dinheiro, ativa o mesolímbico dopaminérgico, a região cerebral da recompensa e gera uma sensação de bem-estar.

Ao opor-se à doação, você também ativa o sistema de recompensa, porém ativa simultaneamente outras regiões do cérebro que estão relacionadas à sentimentos aversivos que reduzem ou até pode anular as boas sensações.

No caso da doação, você ativa o sistema de recompensa e ativa também circuitos seletivos relacionados a sentimentos afiliativos que são próprios de cuidados mãe-filho, formação de casais ou de proteção ao cônjuge, portanto, o sentimento de bem-estar se vê potencializado produzindo uma sensação de prazer maior a quando se ganha.

A lembrança da experiência prazerosa de ajudar o próximo é de longo prazo, porque fica registrada no sistema límbico do cérebro, onde temos a nossa memória sensorial e afetiva.

Isso não acontece com as teóricas sensações de bem-estar ao comprar uma roupa ou um celular, que em poucos dias desaparecem e precisamos de “outra dose”.

O terceiro grande benefício é a influência que fazer o bem tem em nosso entorno, as pessoas que são contagiadas com o seu exemplo.

O quarto e último beneficio, obviamente, é de quem recebe a ajuda.

Portanto…

SEJA EGOÍSTA!

AJUDE O PRÓXIMO!

Você ajudará a uma pessoa ou causa, à sociedade e, de forma cientificamente comprovada, sobretudo, ajudará a você mesmo.

E o que isso tem a ver com o mundo corporativo?

O primeiro é que não podemos nos esquecer jamais que as empresas não são formadas por “recursos”, e sim por pessoas, que pensam e sentem.

Se uma empresa considera o impacto social em suas decisões e ações, isso faz com que seus colaboradores se sintam mais comprometidos e orgulhos da organização onde trabalham.

Isso, associado ao propósito da empresa (é importante que a empresa tenha um propósito), eleva o nível de engajamento do colaborador a um sentimento de pertencimento que não se consegue com dinheiro.

Uma empresa que se preocupa, e principalmente se ocupa, do impacto social de seu negócio muda de patamar para seus colaboradores, clientes e parceiros.

E isso se nota nos resultados.

Raj Sisodia, Jagdish N. Sheth e David Wolfe mostram em seu livro Firms of Endearment (empresas carinhosas em tradução livre).

Segundo os autores, empresas, do S&P 500, com paixão, propósito e compaixão cresceram 14x mais.

 

 

SER GENEROSO E ALTRUÍSTA É RENTÁVEL!

Talvez você esteja pensando, isso só funciona lá fora.

No Brasil isso não daria certo.

Pois é, você errou de novo.

Em meus treinamentos, eu apresento um estudo feito no Brasil, que mostra que as empresas brasileiras, humanizadas e conscientes foram 6x mais rentáveis.

Portanto, se achava bobagem a sua empresa pensar no impacto social (de verdade) ou se pensava que eu sou um romântico e utópico, reveja seus conceitos.

Humanize sua empresa, faça com que ela seja pense no próximo, mesmo que seja por interesse e benefício próprio, a sociedade agradece do mesmo jeito.

Mas não pense que isso se resolve com uma campanha do agasalho ou que a Responsabilidade Social Corporativa, usada de forma hipócrita, vai resolver o seu problema.

Também não estamos falando de empresas que só visam lucro e, o empresário, em sua vida privada, é filantropo.

Precisamos de algo verdadeiro e genuíno.

Seja egoísta, ajude o próximo!

O maior beneficiado será você.

 

Imagens: Pixabay e BE&SK

Como medir o ROI da humanização em tempo de transformação digital?

Este artigo foi publicado: no dia 12/11/2019 na minha coluna no R7 e no portal Inova360.

 

Precisamos rever os conceitos de ativos intangíveis na era do propósito

É possível medir o retorno de um abraço, da sinergia ou do propósito?

Não há dúvidas de que para gerir um negócio é preciso quantificar as ações e os investimentos.

E a necessidade de controlar os recursos e otimizar os resultados das últimas décadas gerou uma cultura de quantificação de qualquer ação ou investimento realizados pela empresa.

Na década de 70 Gartner criou o conceito de ROI1 (Return on Investment) que, traduzindo para o português, significa Retorno sobre o Investimento.

Outro indicador de gestão muito utilizado é o Payback, porque, tão importante quanto saber qual é o retorno sobre o investimento, é saber em quanto tempo eu vou recuperar os recursos investidos.

Em uma empresa bem administrada não se faz nada sem medir o ROI e a contribuição desta forma de atuar para a economia foi enorme. Graças a isto muitas empresas conseguiram manter suas as portas abertas ou crescer.

Estes conceitos foram levados às escolas de negócio e moldaram os executivos das décadas de 70 e 80.

Em seguida, surgiu a primeira dificuldade. Percebeu-se que a empresa possui muitos ativos intangíveis, como a marca, patentes, direitos autorais, licenças e franquias, dentre outros. E assim, surgiram especialistas em calcular, ou ao menos estimar, o valor destes ativos intangíveis.

Para que isso não se convertesse em achismo, o estado tivesse controle sobre os impostos, a concorrência entre empresas fosse leal e o mercado pudesse medir o valor e o desempenho das empresas de forma equânime, se fez necessário a criação de normas contábeis específicas e minimamente convergentes no âmbito internacional das mesmas.

Desta forma, tudo voltou ao seu devido lugar segundo os gestores, entenda-se, a boa e velha planilha. Tudo se mede, tudo se calcula e tudo se controla.

Os presidentes executivos voltaram a dormir tranquilos.

Com o crescimento das empresas de internet, baseadas em software, chegou a próxima dificuldade. Sim, o software já era contemplado nas normas contábeis como um ativo intangível, porém, neste caso é diferente. Não se trata de um bem adquirido pela empresa para gerir seu negócio, e sim, trata-se de o negócio em si; o software é a empresa ou a empresa é o software.

As avaliações são as mais diversas e as estimações muitas vezes das mais originais. Disto falaremos no próximo artigo sobre Valuation e a possível bolha que está se formando.

Voltando à mensuração das atividades atuais, a dificuldade chegou com a transformação digital. As empresas têm investido muito dinheiro em seus processos de transformação digital e, seguindo as recomendações dos gurus, fomentando-a como ponto principal da melhora na experiência do cliente (CX).

Medir o ROI da experiência do cliente passou a ser o desafio das empresas, segundo uma pesquisa do Gartner1. Em 2016 apenas 10% das empresas que investiram em CX conseguiram medir seu retorno, que é uma taxa muito baixa.

Quanto ao restante de empresas, 22% verificavam o retorno de maneira informal e sem dados financeiros, 23% esperavam conseguir medir no futuro, 13% não viam nenhum tipo de retorno e 14% não tinham certeza sobre a eficácia do investimento.

Porém, no ano seguinte, a pesquisa mostrou o crescimento das empresas que mediam formalmente o ROI dos investimentos em CX, chegando a 48%.

Estas medições são feitas através de KPI – sigla em inglês para “Key Performance Indicator”, que poderíamos traduzir como Indicadores Chaves.

Por exemplo, os principais KPIs utilizados para medir a experiência do cliente são o valor da vida útil do cliente, que é uma projeção simples de quanta receita um cliente pode, em média, gerar para a empresa – up-sell e cross-sell e a taxa de conversão.

Agora os presidentes executivos podem dormir tranquilos novamente?

Claro que não!!!

Ao menos em minha opinião, não deveriam.

Por dois motivos:

1º. Alguns destes cálculos são baseados em projeções e estimativas;

2º. Segundo e principal motivo é que nos últimos anos iniciamos uma nova era, onde o intangível não é mais somente o software ou a marca, incluímos duas variáveis nas organizações que nem o Comitê de Pronunciamentos Contábeis e muito menos a maioria dos gestores sabem como fazer para medir o ROI: Comportamento e Emoções.

Houve uma mudança brutal no comportamento das novas gerações e as emoções começaram a ser mostradas e devem ser consideradas dentro das organizações, como vimos no artigo Portal do Profissionalismo, onde as empresas não contratam um profissional e sim um ser humano completo.

Embora a discussão não deveria ser se a empresa deve ou não investir em propósito, felicidade, conscientização ou humanização, porque para a Tecno-Humanização este debate já deveria fazer parte do passado, ainda há muito trabalho por fazer neste campo.

Pasmem, mas ainda existem muitos executivos presos a um passado em que se buscava quantificar e controlar a quantidade de idas ao banheiro dos empregados. Sim, empregados, porque neste caso não posso usar o termo colaborador. Aqui, quando digo passado, não me refiro ao tempo cronológico, e sim, à mentalidade dos executivos.

Não nos surpreende o fato de, em geral, serem os mesmos executivos que se perguntam porque estão encontrando tantas dificuldades para captar e engajar talentos em suas empresas e melhorar seus resultados.

E de quem é a culpa?

Provavelmente eles devem considerar que, primeiro, é por culpa da falta de comprometimento desta nova geração de insolentes e descomprometidos e, segundo pela crise econômica.

Aqui, o nosso trabalho é ajuda-los a mudar o Mindset.

Vencida esta fase, a questão agora é se devemos medir estas ações.

Investir em felicidade e humanização sim é matemático e mensurável, mas não espere e não busque o ROI de cada ação que realize. A Tecno-Humanização te dará um retorno enorme no triple bottom line, a empresa será mais rentável e consciente, porque as ações e os investimentos em conscientização e humanização não se medem em si mesmas, e sim, nos resultados globais da empresa, frente aos aspectos econômico, social e meio-ambiental.

Portanto, reformulo a pergunta que fiz no início do artigo.

É necessário medir o retorno de um abraço, da sinergia ou do propósito?

 

1. ROI é um termo muito comum no mundo dos negócios e quer dizer retorno sobre algum investimento realizado.

2. Pesquisa Gartner

 

Imagem: Pexel

Organizações multigeracionais

Este artigo foi publicado: no dia 28/08/2019 no ITForum365 e no dia 03/09/2019 em minha coluna no portal R7 e no portal Inova360.

 

Pela primeira vez na história da humanidade temos quatro gerações simultâneas no mercado de trabalho

Na minha época…

Quando eu era criança esta frase gerava certo pânico porque eu sabia que vinha história antiga que não me interessava. De jovem, passei a gostar porque era a oportunidade que eu tinha de conhecer os meus antepassados e entender melhor o meu presente. De adulto, senti muito não poder desfrutar mais das histórias porque os mais velhos já não estavam…

Qualquer semelhança NÃO é mera coincidência com as empresas.

Antes o jovem fazia trabalhos menos nobres e os mais velhos tinham o conhecimento, experiência e, portanto, o poder.

A transição era feita de forma gradativa e todos os jogadores aceitavam o jogo como parte de seu plano de carreira.

Porém, com a democratização da informação, o conhecimento chegou mais rápido aos jovens, a sociedade exponencial permite que a intensidade em que vivemos acelere o processo de experiências e maturidade das novas gerações e isso nos leva à que os jovens já não queiram esperar a “sua vez”, eles a fazem.

Tudo isso tem gerado muito conflito nas organizações.

Ainda tem gente dizendo, nos bate-papos de amigos de 50+, coisas do tipo: “A geração de hoje não quer saber nada com nada”, “são muito mi-mi-mi”, “não estão comprometidos”.

Em paralelo, os (cada vez) mais jovens estão traçando seu caminho, alguns ainda aceitam o mundo corporativo tradicional, porém sem aceitar seu tradicionalismo e questionando tudo, e outros estão empreendendo.

Até aqui nada novo, só estava contextualizando, mas…

A novidade é que pela primeira vez na história da humanidade, temos quatro gerações simultaneamente no mercado de trabalho.

Não há opção, aprendemos a lidar com a multigeracionalidade ou temos um problema.

Além de ser uma bobagem, não é necessário aceitar 100% do que pensa e faz cada geração, mas é fundamental entendê-las, aceitar o que se está de acordo, debater o que não, mudar o que se pode e respeitar o que não se pode.

Para isso precisamos de duas características fundamentais: respeito e tolerância. Ambas são inerentes a organizações humanizadas.

E como se faz isso?

Antes de dar alguns exemplos de como a Tecno-Humanização leva isso às empresas, vou contar um caso que ilustra o que fazemos.

Em um colégio, aumentou muito a violência entre alunos do ensino médio e do ensino fundamental. Os maiores hostilizavam os mais novos.

A diretora tomou uma medida brilhante, criou um programa onde cada criança mais velha almoçava com um mais novo, e lhes incentivava a conversar. Eles tinham que contar coisas de suas vidas, o que eles gostavam, o que havia acontecido no dia anterior etc..

No início, as conversas eram monossilábicas (típicas em adolescentes), mas após dois meses, eles conversavam e se divertiam.

Após três meses a escola desenvolveu atividades integradas entre grupos de diferentes idades.

O interessante que os relacionamentos passaram a ter um vínculo de carinho e cuidado, similar ao de irmão mais velho. O resultado foi sensacional, a violência e hostilidade desapareceram e a conclusão foi: conhecer e reconhecer no outro, através de conversas, um ser humano que como você, tem medos, tristezas, alegrias, sonhos etc..

A Tecno-Humanização se inspirou neste caso para aplicar algumas das técnicas que utilizamos para humanizar as empresas.

Vamos a alguns exemplos.

Em 2016 eu conheci um App que se chamava Never eat alone (hoje tem outro nome), que foi criado para ajudar as pessoas socializarem em grandes corporações e não almoçarem sozinhas. Eu usei o App a meu favor e o apliquei para criar conexões nas empresas. Três almoços da semana eram aleatórios (o algoritmo escolhia pessoas por áreas de afinidades), outro dia a pessoa podia agendar com uma pessoa específica, de pessoas de outras áreas ao presidente da empresa, e outro dia estava permitido agendar com amigos da empresa. Nestes almoços as pessoas eram instruídas a conversarem sobre assuntos não relacionados à empresa.

Outra ferramenta que utilizamos é uma plataforma que eu tive o imenso prazer de conhecer e participar este ano, a AWAKEN TALKS. É uma plataforma onde pessoas contam suas histórias de vida, seus momentos de despertar e suas superações, e através delas inspiram  outras pessoas.

Desde o ponto de vista corporativo, quando as pessoas percebem que o “colaborador 436”, que se senta na outra ponta do andar, é um ser humano, como eu e como você, que padece das mesmas angústias ou que se fortalece com as dificuldades da vida, surge empatia e tratar com o “Sr. José do faturamento”, um senhor desconhecido de cara fechada, passa a ser muito mais fácil.

Ao trazer estas técnicas, entre outras, rompemos a barreira do preconceito etário e criamos uma convivência mais respeitosa e enriquecedora através da empatia.

No contexto das organizações multigeracionais, não é garantido que uma pessoa da geração baby boomer ou X, possa agregar algo em projetos de holocracia, métodos ágeis ou tecnologias exponenciais, mas com certeza podem dar o equilíbrio que qualquer empresa precisa, podem inspirar, podem mostrar como se faz as coisas e em muitos casos, como não devemos fazê-las, seja por orientação ou por exemplo.

Não estamos vivendo em uma era de mudanças e sim uma mudança de era.

O que nos trouxe até aqui, não é o que vai nos levar daqui em adiante, portanto, em muitos casos é importante entender o modelo anterior para não o repetir.

Em qualquer caso, saber aproveitar os benefícios da multigeracionalidade é ter um negócio mais saudável construindo um mundo melhor.

Imagem: Pixabay